Vanessa Mazza


0

Como estragar um casamento

Vanessa Mazza 17 de outubro de 2014

Não basta haver amor para que um casamento dê certo. Até porque os problemas financeiros, o comportamento da família e de filhos, as dificuldades no trabalho ou ainda doenças e acidentes podem tornar a convivência custosa ou desafiante. Afinal, todos nós temos necessidades individuais que nem sempre o outro consegue suprir, mesmo nos tendo em alta conta.

Por isso, fiz uma listinha de hábitos que costumam estragar qualquer casamento. Se os problemas do destino não puderem ser evitados, pelo menos corrigir esses comportamentos ajudará, e muito, a manter a estabilidade do relacionamento, coisa primordial para contornar qualquer obstáculo.

  • Não tenha tolerância com as diferenças no modo de vida – Morar junto não é fácil, principalmente se você estava acostumado a viver só antes, mantendo uma série de hábitos, como limpar a casa de um jeito, acordar tarde ou cedo demais, fazer fritura em casa ou deixar o som alto até depois da meia-noite. Seu companheiro pode não compartilhar desses gostos e ainda brigar por causa deles. Daí ser muito importante encontrar um meio termo no qual nenhum dos dois precise anular quem é, ao mesmo tempo em que respeita a preferência do outro;
  • Não ceda, nem tente conciliar – Quando queremos que tudo seja do nossos jeito, estamos sentenciamos o outro à total anulação de sua personalidade. Porém, qual é o objetivo de se ter um companheiro se o que vem dele deve apenas ser um reflexo de nós mesmos? Era melhor ficar sozinho e contratar empregados e assistentes, não é mesmo?
  • Exija sempre que vocês saiam para os lugares que prefere – Se não abrimos a possibilidade de o outro contribuir no relacionamento com sugestões, ficamos estagnados, pois nada de novo acontecerá, nem nada aprenderemos se estivermos constantemente seguindo a mesma rotina;
  • Não faça sua parte nas tarefas de casa – Tem gente que ainda vive no modelo antigo do “homem trabalha e a mulher fica em casa”. Outros simplesmente não gostam de limpar, cozinhar ou ir ao mercado e se poupam de fazê-lo, mesmo que isso signifique sobrecarregar o conjugue. Por fim, há igualmente aqueles que projetam seus pais no companheiro e esperam ser constantemente cuidados. Seja o que for, simplesmente não é justo e algo precisa ser feito;
  • Chame parentes e amigos para almoçar, jantar e passar a noite sem avisar – Dizem que casamos com a família e amigos e é verdade. Afinal, como se pode evitar encontrar seus entes queridos? Pessoas boas ou não, temos deveres e uma história com eles. Porém, não é por causa disso que simplesmente iremos ignorar a vontade de nosso conjugue, não procurando uma forma de conciliar nossas visitas com as necessidades dele por privacidade, por exemplo;
  • Não avise que horas vai chegar em casa ou se irá se atrasar – Quando moramos sozinhos, ninguém está esperando por nós. Porém, quando dividimos a casa com alguém, temos que ter a clareza que esta pessoa se preocupa com nosso bem-estar e, quando não a avisamos sobre qualquer mudança de planos, damos margem para que ela pense coisas terríveis, além de impedi-la de tomar decisões práticas a respeito de sua própria vida;
  • Gaste o orçamento de casa com coisas particulares – É fácil confundir as coisas e misturar os ganhos, porém, se pegamos uma soma que estava destinada a reforma de casa, às compras de mercado, à troca de algum objeto quebrado para usar em nosso divertimento, colocamos a saúde financeira da família e do casamento em risco, ainda mais se o fazemos escondido do outro;
  • Não divida a responsabilidade da educação dos filhos – É claro que educar crianças não é simples e leva tempo, entretanto, o que mais ajuda a estabilidade de uma criança é que haja coerência e união naquilo que ambos pais fazem e dizem. Além disso, a presença dos conta muito para que eles se sintam aceitos e amados;
  • Reclame de tudo o que o outro faz – Se você não suporta o que seu companheiro faz, o caminho mais óbvio é simplesmente terminar este casamento, pois, ficar anos e anos reclamando e não agindo mostra que quem está errado é você em ficar forçando uma mudança que talvez nunca ocorrerá;
  • Mantenha vícios – É sabido que temos tendência a nos viciarmos em praticamente qualquer coisa, seja ela legal ou não, moralmente aceita ou não. Porém, a partir do momento que não afeta só nossa vida e passa a colocar nosso companheiro em situações embaraçosas ou complicadas, é hora de nos tratarmos;
  • Traia – Não há como ter um casamento feliz, tendo amantes. Mesmo que você tenha amizade por seu conjugue, não precisa estar casado com ele para tal. Por outro lado, se a questão é financeira, liberte-se, se a pessoa é doente, encontre alguém para cuidar. Se você trai porque tem um problema psicológico, busque terapia. Não importa que você seja ótimo em manter a discrição e que seu amante seja seu maior confidente;
  • Minta sobre coisas importantes ou mantenha grande segredos – Dizer a verdade nua e crua em todas as situações nem sempre é o ato mais compassivo, porém, omitir ou mentir sobre coisas importante revela falta de confiança e integração no casal. Além disso, se você não pode contar com seu companheiro, para que ficar com ele então?
  • Seja ausente – Estar casado não significa apenas morar junto com outra pessoa, significa também se portar como tal dentro da sociedade. Isso significa que, se seu companheiro for a eventos, sejam profissionais ou familiares, você estar ao seu lado é importante. Afinal, imagine seu conjugue indo frequentemente a festas de casamento ou aniversário, funerais, eventos escolares e consultas médicas dos filhos sem você? Que mensagem isso passa? Pior que isso é você exigir que o outro esteja presente sempre quando os eventos são da sua família e amigos.
Tags deste artigo: , , ,

Deixe um Comentário

Login to your account

Can't remember your Password ?

Register for this site!