Vanessa Mazza


25

Sua vida está estagnada?

Vanessa Mazza 11 de junho de 2013

Nem sempre percebemos quando a tristeza é instalada. Ela simplesmente vai nos envolvendo dia após dia, seja por meio de um pensamento derrotista, seja por uma crença negativa a nosso respeito, seja ainda por pequenos hábitos e comportamentos que vão nos tornando pessoas menores do que realmente somos. Afinal, a pessoa triste nunca é ela mesma. É outra pessoa, mais fraca, mais irritadiça, mais egoísta, mais reativa.

Isso é claro porque quando uma pessoa está bem consigo mesma, ela não sofre. Ela pode ter problemas, algumas coisas podem dar errado, mas ela não se permite ficar horas, dias, meses lamentando, reclamando e sentindo ansiedade, frustração, raiva, medo e insegurança. Ela simplesmente resolve o problema e faz o seu melhor. Mesmo que não haja o que fazer, ela aceita com mais naturalidade e simplesmente segue em frente. O infeliz, por outro lado, fica estagnado, “batendo na mesma tecla”, querendo entender os motivos daquilo que não funciona, exigindo que outros o ajudem ou ainda usando isto para se sentir mal.

E o que leva a pessoa a chegar ao ponto de transformar um pequeno problema numa montanha de lamentações?

Um dos motivos, não necessariamente o principal ou causal, que percebo é a falta de sonho.

Sim, quando sonhamos, e com sonho me refiro a grandes projetos de vida e não ilusões vindas da fantasia, passamos a ter um propósito e todas as ações no nosso dia a dia têm um sabor especial. Isso acontece porque sabemos as razões de cada ato, policiamos nosso comportamento, pois sabemos o quanto isso pode afastar ou atrair o que queremos e nos mantemos firmes, já que não podemos perder tempo com bobagens, quando nossos sonhos estão ali, tão perto de nós.

Portanto, quando alguém perde seu sonho ou o vê como algo irrealizável, seja por se sentir incapaz, seja por não se considerar merecedor, a motivação some e o que sobra são as pequenas obrigações do cotidiano: é o pagar as contas do mês, é o trabalhar para ganhar dinheiro, é o permanecer num relacionamento ruim para não ficar sozinho…então, qualquer coisa que dê um pouco de prazer, é consumida em excesso e o resto que poderia trazer mais alegria, se torna tedioso, como passear, conversar com alguém, praticar um exercício, ir ao cinema, cuidar do próprio corpo, deixar a casa mais bonita, etc.

O que fazer então para recuperar a alegria? veja algumas ideias:

– Faça uma terapia: mesmo que tenha vergonha, sentir que existe alguém cuidando de você, interessado no seu problema, pode ajudar;

– Evite tudo o que é artificial, remédios, alimentos…quando diminuímos a quantidade de elementos tóxicos no corpo, é mais fácil recuperarmos o equilíbrio.

– Faça coisas que você gosta, mesmo que neste momento elas não deem o mesmo prazer de antigamente;

– Aprenda a meditar: Isso ajuda a diminuir a ansiedade e aumentar o foco. Mesmo que no início seus pensamentos o atormentem, com o tempo, ela fará efeito;

– Pratique algum exercício físico: Ter consciência corporal lhe fará tirar a atenção da mente perturbada para seu corpo, lhe ajudando a se curar. Por isso, não importa o tipo de exercício e sim, se você se sente confortável nele. Muitas opções são possíveis atualmente: yoga, pilates, caminhada, dança, artes marciais, academia, natação, ciclismo, corrida, etc;

– Fique mais perto da Natureza: O silêncio, o frescor das árvores, a beleza da paisagem são muito benéficas para você se sentir bem consigo mesmo;

– Pegue um caderno e escreva o que sente e pensa para perceber seus padrões de comportamento com mais clareza. Resgate também velhos sonhos e reflita se ainda não dá tempo de colocá-los em prática;

– Volte a estudar: Não importa o que, pois só o ato de se abrir ao novo, já faz você ter ideias, projetos e ânimo para ir além;

– Faça o essencial em relação ao seu corpo e ambiente: Mesmo que seja trabalhoso, vá ao cabeleireiro, compre roupas novas, tome banhos demorados, durma melhor, arrume a casa, compre flores, coloque aromatizadores, abra as janelas, limpe os ambientes, marque de sair com amigos que não vê há muito tempo;

– Busque a espiritualidade: Seja resgatando algo que já seguia, seja descobrindo novas doutrinas. O budismo e a seicho-no-ie, por exemplo, ajudam muito a recuperarmos a auto-estima e a gratidão pela vida;

– Adote um animal: Ter uma vida dependente de você pode trazer uma nova vontade de viver, fora que a beleza e o carinho dos animais sempre nos faz sentir o amor que existe em tudo o que é vivo;

– Faça uma lista de tudo aquilo que está pendente na sua vida, da coisa mais banal à mais importante e se comprometa a resolver, uma por uma.

Tags deste artigo: , ,

Comments (25)

  1. Pingback: 10 passos para resgatar sua autoestima

  2. Pingback: Qual é seu problema? Encontre aqui a solução! - Vanessa Mazza

  3. Seria muito fácil sair da depressão com essas dicas se o grande problema não fosse o desemprego e a miséria. Afinal para se fazer terapia, comprar roupas novas, viajar e cuidar do sem dinheiro é impossível. Sem contar as amizades que foram perdidas por conta disso. Mas o artigo é válido.

    Responder
    • Concordo plenamente. Esses sites com dicas são todos iguais. Eles pensam que todos vivem numa realidade iguais as deles. E se esquecem que tem pessoas que ganham salário mínimo, que ganham mil reais por mês e tem que pagar aluguel, contas e despesas. Mal sobra pra comida. Como vai pagar terapia, viagens, saídas com amigos, nem pensar! Rs… Infelizmente é a realidade de muitos brasileiros. Aqui vivemos num país totalmente desigual. Uns ganham demais e outros miséria. Terapia, flores, viagens, passeios com amigos, tudo isso faz parte da vida de pessoas que são da classe média pra cima. E quem tem mal pra comer? Como vai gastar com flores??? Viagens? Como? Complicado. As dicas são ótimas, mas pra quem tem condições. Imagina uma pessoa desanimada por estar desempregada? Ou ganhando mal? Como vai usar essas dicas? Vai ficar mais depressivos ainda…. A parte da atividade física e praticar budismo ou seicho no ie é válida, pois ambas não exigem gastos. Qualquer um pode fazer caminhada ou correr. 🙂
      Mesmo assim, valeu!

      Responder
      • Bom dia, Iza! Agradeço seu comentário!

        Entendo seu raciocínio, mas acredito que tenha havido um equívoco sobre a função do texto. A estagnação do título tem a ver com um estado mental/emocional e não material. Por isso, é óbvio que algumas dicas parecem deslocadas em relação ao contexto das pessoas que citou, já que estas estão mais preocupadas em sobreviver. Ou seja, focadas no material, na ausência dele do que nos aspectos abstratos de sua situação.

        Isto posto, quanto a questão das dicas de classe média, não concordo que seja preciso dinheiro para colocar o que sugeri em prática, até porque, no caso da terapia, faculdades de psicologia prestam ajuda gratuita e muitos planos médicos tem psicólogos dentro de sua rede, ou seja, não é preciso pagar pela terapia particular, se você não tiver como. Além disso, tentar reservar um tempo para si mesmo, cuidar do próprio corpo, do ambiente em que vive e ter algum tempo de qualidade com amigos não necessariamente exige altas somas de dinheiro, pois a questão tem mais a ver com sua atitude em relação a estas coisas do que com bens materiais. Por fim, só porque citei flores e viagens, não significa que todos devam fazê-lo. São apenas sugestões. Afinal, muita gente nem gosta desses dois itens…

        Responder
  4. esqueceu de falar sobre a importancia de procurar um psiquiatra. Meditar e escrever não repõe a falta de substancias neuronais (se for o caso), por isso importante investigar.

    Responder
  5. “quando alguém perde seu sonho ou o vê como algo irrealizável, seja por se sentir incapaz, seja por não se considerar merecedor, a motivação some e o que sobra são as pequenas obrigações do cotidiano: é o pagar as contas do mês, é o trabalhar para ganhar dinheiro”.
    Minha vida descrita em um parágrafo.

    Responder
  6. Oi, tenho 18 anos e nao posso reclamar da minha vida, tenho quase tudo que quero e minha familia é muito presente, mas de uns anos pra cá, nao sei o que esta acontecendo comigo, minha vida nao faz nenhum sentido, eu nao consigo me ver daqui anos, nao sei o que me agrada e está cada dia pior. Quando me mudei, para estudar, acabei me afastando de muitos amigos, entao acredito que isso pode ter afetado bastante, pode parecer frescura, mas eu nao sei o que preciso, na escola as coisas começaram a dar errado e entao junta tudo isso e eu fico muito chateado com a vida. Me encaixei em tudo que o artigo diz e vou tentar melhorar ao máximo seguindo-o. Quero sorrir de novo!

    Responder

Deixe um Comentário

Login to your account

Can't remember your Password ?

Register for this site!