Vanessa Mazza


5

O que fazer quando queremos quem não nos merece

Vanessa Mazza 13 de dezembro de 2012

Algumas pessoas, em especial mulheres, se apaixonam por indivíduos que intimamente sabem que não servem para elas, mas que, mesmo contra todo o bom-senso, continuam insistindo, esperando e sofrendo.

Isso acontece porque se criou uma espécie de vício no qual ficam dependentes da atenção ou do prazer que os alvos de seu suposto amor podem oferecer. Assim, mesmo que sejam pobremente retribuídas, na maioria das vezes passam por situações constrangedoras, de abusos diversos, sendo muitas vezes ofendidas e até traídas sistematicamente. Curiosamente,  nada disso as impede de continuarem procurando a presença do outro, tal como o fumante busca seu cigarro, o alcoólatra sua bebida e o obeso sua comida durante uma crise de baixa-autoestima para, logo depois, se remoerem em culpa e auto-depreciação.

O problema é que a pessoa “apaixonada” não se contenta em ficar numa postura passiva. Ela quer tanto receber atenção, ser aceita, compreendida e amada que é muito frequente que perca o controle toda vez que não consiga o que deseja do outro, chegando, inclusive, a passar ridículo ao se expor em público, gritando, chorando ou tendo comportamentos infantis como quebrar coisas, bater nos outros, mandar mensagens ofensivas ou tentar se vingar de formas muito exageradas para logo depois se debulhar em mil pedidos de perdão e humilhações auto-impostas.

Quando passamos por algo assim ou presenciamos alguém no meio dessa loucura, fica difícil de compreender porque uma pessoa, até inteligente e bem instruída, se colocaria numa situação dessas. Uma das explicações possíveis é que o que reage nesse momento é o nosso emocional e não nossa razão. Desse modo, aqui vão algumas dicas para evitar cair nesta armadilha emocional e como sair dela, caso já se esteja preso.

ANTES DE CAIR, NOTE QUE:

  • O momento mais suscetível a se apaixonar por alguém que não vale a pena é aquele no qual estamos sem nos relacionarmos de verdade há um bom tempo. Além disso, o risco é maior quando somos mais fechados, mesmo que sejamos sociáveis e simpáticos;
  • A pessoa-armadilha pela qual podemos nos apaixonar é alguém que, diferentemente dos outros que conhecemos, se mostra interessada em nós, nos fazendo nos sentir mais importantes do que normalmente nos consideramos, o que nos leva a acharmos que devemos retribuir de alguma forma;
  • É muito comum também que esta pessoa não faça parte do nosso ideal de beleza, nem que partilhe os mesmos princípios, possuindo até muitos defeitos que, numa situação normal, não aceitaríamos como ter dormido com prostitutas, ser sabidamente “galinha”, ter vícios ou hábitos perigosos, ser corrupto, ter más companhias, etc;
  • A pessoa em questão nunca nos promete nada. O clima é sempre despretensioso. Ela joga convites ou indiretas e espera que aceitemos. Porém, se não o fizermos, logo seremos substituídos. Este clima de urgência pode nos levar a agirmos precipitadamente e aceitar todas essas condições, por medo de que aquele interesse desapareça e voltemos para a solidão anterior;
SE JÁ CAIU, NOTE QUE:
  • No fundo, você não ama esta pessoa, nem gosta tanto dela. É mais a possibilidade que ela lhe oferece que é sedutora;
  • Fazer as vontades dessa outra pessoa, como ficar com ela, ceder aos seus desejos sexuais, lhe fazer companhia em eventos, não garante que tenhamos um relacionamento sério com ela. Assim, a tendência é que ela fique com outras pessoas, que nos deixe no vácuo por alguns dias e que só apareça quando estiver interessada novamente;
  • Cobrar qualquer coisa dela não terá o resultado esperado pois, na mente dela, em nenhum momento ela se comprometeu com você;
  • Quanto mais crises tivermos, seja chorando ou gritando, menos respeito e consideração receberemos dessa pessoa que, pode até se afastar de vez e rir ou falar mal de nós pelas costas;
  • Se fizermos várias barganhas, podemos até manter esta pessoa perto de nós, mas nunca será um relacionamento verdadeiro. Seremos apenas alguém que é usado porque permitiu que o outro o fizesse. Neste ponto, é importante lembrar que as pessoas que valem a pena, nunca se aproveitariam de nós, mesmo que suplicássemos por isso;
  • É possível ainda que esta pessoa se apaixone de verdade por outra e que faça com ela tudo aquilo que ficamos por muito tempo exigindo e esperando que fizesse conosco. Assim, é muito fácil raciocinar que a culpa é nossa, como se não fossemos bons o bastante para merecer tudo aquilo;
  • Se continuarmos nesse padrão mental negativo, logo logo entraremos em depressão e ficaremos doentes;

Em suma, intuitivamente já sabemos que um relacionamento assim está fadado ao fracasso, por isso que, a única forma de nos protegermos é sempre nos colocarmos em primeiro lugar, nos respeitando e nos amando. Se você tiver dificuldade em saber até que ponto fazer isso é saudável, sem cair no erro do egoísmo ou da arrogância, basta que se lembre de pessoas bem-sucedidas e felizes. Pergunte: Como elas se comportam? O que fazem em situações semelhantes?Isso pode ajudar a criar um parâmetro do que é aceitável ou não.

Se isso também falhar, tenha em mente que se está lhe fazendo mal, não é amor.

Vanessa Taro

Se encontra nesta situação? Veja como se consultar – http://vanessamazza.com.br/2012/10/07/consultas-on-line-e-presencial/

Comments (5)

  1. Olá tudo bem Vanessa? Terminei um relacionamento há pouco exatamente nos moldes deste do artigo acima que parece que foi escrito para mim. Agradeço aos Deuses por terem colocado este artigo no meu caminho. Você me ajudou muito. Beijos.

    Responder

Deixe um Comentário

Login to your account

Can't remember your Password ?

Register for this site!