Vanessa Mazza


1

ENTENDENDO O I CHING – INTRODUÇÃO

Vanessa Mazza 29 de agosto de 2007

O estudo do I Ching, e mesmo sua utilização, costuma ser subestimado, principalmente se o compararmos à popularização que o tarô, por exemplo, atingiu nos últimos séculos.

De fato, o I Ching, além de ter como base uma filosofia puramente oriental e milenar, teve sua difusão realizada de maneira muito menos enfática e, com certeza, muito mais recente.

Sabe-se que as primeiras edições do livro produzidas em maior escala no Ocidente, só vieram em meados do século XX, tendo inclusive ganhado em 1948, numa tradução para o alemão, um prefácio do célebre discípulo de Freud, Carl Gustav Jung. Esta demora acabou por definir o I Ching como um movimento esotérico, por assim dizer, com pelo menos 500 anos de atraso em relação ao tarô.

Mas, afinal de contas, o que é o I Ching?

Existem muitas teorias, mitos e lendas sobre o surgimento deste livro que é considerado, juntamente com a Bíblia, o mais antigo do mundo.

Tratando das mudanças dentro da Natureza e como elas influenciam os destinos dos seres humanos, o I Ching, igualmente conhecido como O Livro das Mutações, pode ser entendido como uma compilação de tratados morais e filosóficos baseados na alternância de linhas abertas e fechadas (yin e yang), que quando formam três, são chamadas de trigramas, e ao serem combinadas duas a duas, se tornam hexagramas (seis linhas).

Existem 64 possibilidades de combinações e, portanto, 64 hexagramas que podem ser consultados por meio de três métodos tradicionais:

Cartas: sendo o mais simples de todos, basta embaralhar e retirar duas cartas para a leitura.

Moedas: considerado um método intermediário, cada moeda possui dois lados, um que representa uma linha aberta e outro, uma fechada. Jogando-se uma seqüência de 6 vezes, consegue-se o hexagrama que deve ser lido.

Varetas: o mais complexo de todos e igualmente o mais tradicional, baseia-se num maço de 50 varetas que são postas sobre uma mesa de maneiras alternadas.

Cada jogada, independente de qual seja o método utilizado, oferece uma gama de significados muito profundos, que geralmente mais servem como inspiração e conselhos para a resolução de problemas do que propriamente para revelar o futuro.

É por isso que, ao entender melhor os mecanismos pelos quais o I Ching se manifesta, mais proveito se tirará dele no seu dia-a-dia.

Tags deste artigo: ,

Comments (1)

  1. Pingback: [Guia] O I Ching

Deixe um Comentário

Login to your account

Can't remember your Password ?

Register for this site!